A história do São Paulo Fashion Week

Postado em Postado como Moda

Desde segunda-feira, lá no prédio da Bienal do Ibirapuera, vem rolando mais uma edição da semana de moda de São Paulo, o SPFW. Com o tema “Mãos que valem ouro”, essa temporada veio cheia de novidades, marcando uma nova fase da maior semana de moda do Brasil – e de toda a América Latina!

A mais importante mudança dessa fase é que agora o SPFW não terá mais uma divisão entre temporadas de inverno e temporadas de verão. O nome dessa edição, por exemplo, é SPFW 41, já que a ideia é aproximar o evento ainda mais da realidade do nosso país, que não tem estações do ano bem definidas.

Já para o ano que vem, a ideia é que as edições troquem de meses e passem a acontecer em fevereiro e julho/agosto. O intuito dessa mudança é que os desfiles fiquem bem mais próximos dos lançamentos das coleções, tornando a informação mais rápida e não tão desgastada pelas redes sociais.

SPFW

Mas, ainda que sejam várias as novidades, se existe uma coisa com que o SPFW está acostumado são as grandes mudanças. Tanto é que quando o evento começou, ainda em 1993 com o nome de Phytoervas Fashion, é bem provável que ninguém imaginasse que ele se transformaria no que é hoje em dia.

À época, o Brasil não possuía nenhuma semana de moda e a cena fashion do país ainda era bastante underground, com marcas e designers trabalhando de forma completamente independente. Foi então que o jovem Paulo Borges, que já produzia desfiles para algumas marcas brasileiras e havia tido o privilégio de trabalhar na revista Vogue com a maravilhosa Regina Guerreiro, começou a pensar em maneiras de unir essa classe ainda tão recente no país.

O primeiro Phytoervas Fashion aconteceu em um galpão da Vila Olímpia e reuniu alguns nomes que até hoje são importantíssimos na indústria de moda brasileira. Gente como Alexandre Herchcovitch, um recém-formado da Faculdade Santa Marcelina que depois de um desfile de formatura muito bem criticado, procurava mais oportunidades de mostrar seu trabalho. E também haviam outros, como Ronaldo Fraga, Reinaldo Lourenço, Glória Coelho, Walter Rodrigues…

O resultado foi um sucesso enorme e o Phytoervas, (que tinha esse nome devido a uma parceria com a marca de cosméticos da empresária e também mentora do evento, Cristiana Arcangeli) se manteve firme e forte até 1997, quando ocorreu um novo salto da indústria.

 

“A Costura do Invisível”, de Jum Nakao, um dos mais importantes desfiles da história da moda brasileira

Paulo Borges decidiu se desligar do evento e em uma parceria com o Shopping Morumbi, criou o Morumbi Fashion, um evento agora já com cara e corpo de semana de moda. Muita gente brilhou naquelas passarelas, especialmente algumas modelos brasileiras que começavam a ganhar fama internacional, como Gisele Bundchen, Caroline Ribeiro e Fernanda Tavares.

A moda brasileira já se mostrava muito mais consolidada e outras semanas de moda em breve surgiriam no país.

 

Declaração de Paulo Borges, em foto postada no instagram oficial do SPFW
Declaração de Paulo Borges, em foto postada no instagram oficial do SPFW

 

O Morumbi Fashion aconteceu até 2001, quando passou a se chamar São Paulo Fashion Week e a adotar o modelo de evento pelo qual é conhecido hoje em dia. Ao longo dessas inúmeras edições, vários foram as coleções marcantes que se apresentaram, os designers que se consolidaram em suas passarelas e os jornalistas, produtores, maquiadores, cabelereiros e tantos outros profissionais que por lá trabalharam.

Na edição atual, em que mais uma fase se inicia, o que podemos esperar são propostas e melhorias que conectem ainda mais profundamente – e rapidamente – o consumidor com as tendências e coleções lançadas no país, e uma semana de moda que represente cada vez mais o jeito, os desejos e a bossa que só mesmo a moda brasileira tem.

Beijos e até a próxima!

Jornalista formada pela Unesp, tem 27 anos e divide seu tempo entre a redação de uma editora de revistas e seu blog. É apaixonada por moda, – desde que entendeu o quanto esse universo pode ser inspirador e inteligente – livros, cinema, uma boa xícara de café e conversas sobre a vida, o universo e tudo mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *